O Verbo de Deus se fez carne e habitou entre nós!

0

“No príncípio, Deus criou o céu e a terra. Ora a terra estava vazia e vaga, as trevas cobriam o abismo, e um sopro de Deus agitava a superfície das águas” (Gn 1,1-2). “No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. No princípio, ele estava com Deus. Tudo foi feito por meio dele e sem ele nada foi feito” (Jo 1,1-3). Se o coração do Gênesis é a imagem do Deus que salva e cria, o coração do Evangelho de João é o testemunho da encarnação histórica de Jesus de Nazaré. Acredita-se que a intenção do prólogo da comunidade joanina é a atualização do primeiro capítulo do Livro do Gênesis. Tanto Gênesis 1 quanto João 1 começam com a palavra ‘no princípio’. Se o primeiro utiliza o termo hebraico B’reshit, o segundo falará a partir da expressão grega En arché. Trata-se da afirmação de que em Cristo se dá um novo Gênesis, uma nova origem, uma nova criação, uma nova humanidade. A palavra criadora do Gênesis torna-se criatura em João.

Etimologicamente, o termo ‘encarnação’ é proveniente do latim clássico in-carnare. É a manifestação mais crível de que um dia Deus se tornou carne em nossa carne, sangue em nosso sangue, história de nossa história e vida em nossa vida.

Diante da encarnação podemos afirmar que “nada do que é humano é estranho a Deus” (Montaigne). Ele havia criado tudo, inclusive o humano, mas nunca havia sido humano. Deus se torna humano em Jesus. Por isso que diante da encarnação está a história do Deus que se tornou Humano, para que o humano se torne divino. “Divinando- se o homem é mais homem. Humanando- se Deus é mais Deus para nós” (Leonardo Boff). Na encarnação, o Filho de Deus se apresenta como o encontro entre o Sagrado e o Profano. Eis o Deus Redentor!

Vale ressaltar que o movimento do Encarnado na história não foi uma aparição miraculosa ou fantástica, mas, sobretudo, a concretude do amor em carne. O amor do Pai torna-se carne (sarx). Por isso, Jesus é Sacramento do Pai Eterno. Não estamos defrontes a um Deus mágico, mas perante um Deus que teve que aprender a ser humano. Um Deus que “não responde, pergunta. Não soluciona, põe em conflito. Não facilita, dificulta. Um Deus que não gera meninos, mas faz adultos” (Inácio Larrañaga).

Jesus de Nazaré não assume a história a partir de fora, mas vem de dentro. Não assume um corpo emprestado, no qual habita o seu espírito. Pelo contrário, esvazia-se de sua condição divina para tornar-se plenamente humano.

“Jesus nasceu em uma pátria insignificante, dentro de uma vila interiorana. Não sabia grego nem latim, as grandes línguas da época. Falava um dialeto – o aramaico. Jesus sentiu a opressão, conheceu a fome, a sede, a saudade, as lágrimas pela morte do amigo Lázaro, a alegria da amizade, a dor da traição, a tristeza, a tentação, a raiva, o pavor da morte e passou pela noite escura do abandono de Deus” (Leonardo Boff).

Diante do presépio está a incidência do Deus que busca o homem e do homem que busca Deus. A pessoa humana chega a Deus porque Deus chega primeiro à pessoa humana. A iniciativa sempre será do Divino. O atemporal entra na ordem do temporal. O Infinito conhece a finitude do humano. O Onisciente, o Onipresente e o Onipotente se coloca como pequeno e frágil.

Devemos olhar e admirar o Jesus criança que nasce na manjedoura da pobreza humilhante, porque não encontrou lugar no coração da humanidade. Jesus vem como criança para nos mostrar que Deus não nos ameaça ou condena. E assim a encarnação vai sendo atualizada na história e não se torna um fato do passado.

“Quando o pobre que pouco tem ainda reparte: o verbo se faz carne novamente. Quando o sedento dá água e o faminto dá o pão: o verbo se faz carne novamente. Quando o fraco fortalece o impotente, quando se diz a verdade onde reina a mentira, quando se ama onde há ódio, quando se prega a paz onde vigora a guerra: o verbo se faz carne novamente” (Leonardo Boff).

Desta forma, encarnação nos fornece a chave de leitura para compreendermos muitas questões não respondidas atualmente. As pessoas muitas vezes perguntam: por que a dor? Qual o sentido do sofrimento? Por que a humilhação, a fome e a miséria? “As pessoas perguntavam e Deus se silenciava. Na encarnação Deus responde e a pessoa se silencia. Deus não responde ao porquê do sofrimento. Ele sofre junto. Deus não responde ao porquê da dor. Ele se faz homem das dores. Deus não responde ao porquê da humilhação. Ele se humilha” (Leonardo Boff).

Deus não assiste a tragédia do humano. Ele entra na história e se encarna nela. Um Deus Emanuel – Deus Conosco. Companheiro de Jornada e irmão da história. Diante das decepções da vida e das frustrações do cotidiano nunca nos esqueçamos de que o verbo se fez carne e habitou entre nós por amor!

Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.
Reitor da Basílica de Trindade

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 12h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quarta, quinta e sexta: 7h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h