História da devoção e fé no Divino Pai Eterno

0

Certamente você conhece essa história. Mas, vale apena revisitá-la. Por volta do ano de 1840, um piedoso casal de lavradores oriundos das Minas Gerais, Constantino Xavier e Ana Rosa de Oliveira, viviam em um pequeno povoado de nome Barro Preto localizado à margem direita do Córrego Barro Preto.

Certo dia, ao lavrar a terra  encontraram um medalhão de barro cozido com aproximadamente oito centímetros de diâmetro, cunhado em alto relevo a imagem da Santíssima Trindade coroando a Virgem Maria. Narram os fatos de que a beijaram respeitosamente, levaram-na para casa, um simples rancho de pau a pique coberto com palhas de buriti.

Aos finais de semana, o casal reunia os vizinhos dentro de casa, ao redor do medalhão para a reza do terço. Os primeiros sinais de graças começam a aparecer juntamente com numerosos milagres. Em um curto espaço de tempo, esses fatos tornam-se conhecido nas proximidades do pequeno, simples e humilde Povoado de Barro Preto.

Sensibilizado e tocado pelo Espírito Santo, diante da crescente devoção, em 1842, Constantino Xavier, tomou o medalhão que já estava sob seus cuidados, montou em seu cavalo e dirigiu-se para a cidade de Pirenópolis à procura do artista goiano Veiga Vale. O motivo? Para que o mesmo pudesse retocá-la. Todavia, porém, “o escultor resolveu esculpir em madeira a imagem que estava representada na medalha, para que ficasse mais visível”.

Quando a imagem ficou pronta, Constantino vai a Pirenópolis para buscá-la. Segundo anais da história, ao negociar o acerto do trabalho com o artista, o dinheiro de que dispunha para tal fim era insuficiente. Sem alternativa, vendeu seu próprio cavalo. Pagou o artista e voltou a pé para o povoado de Barro Preto trazendo nos braços a imagem do Pai Eterno. Ao aproximar-se do povoado, “o povo foi em massa para a entrada do arraial para acolher a nova imagem e saudar aquele devoto que manifestara tanto amor ao Pai Eterno”. Por esse motivo afirmamos que Constantino Xavier é o primeiro romeiro peregrino do Divino Pai Eterno.

A nova imagem, maior e mais visível é introduzida novamente na casa de Constantino Xavier e Ana Rosa. Em pouco tempo, o número de devotos aumentou de maneira que o lar dos piedosos lavradores do campo já não comportava todos os fiéis. Por volta do ano de 1843, “Constantino construiu uma pequena capela, coberta de folhas de buriti, onde colocou a imagem”. Ali, a imagem do Pai Eterno foi posta para veneração de seus devotos.

As romarias continuaram aumentando. Já não comportando mais o número de fiéis, em 1854 “o casal (juntamente com um senhor de nome Luiz de Sousa), doa um terreno às margens do Córrego Barro Preto para a construção de uma nova capela”, também coberta com folhas de buriti. Neste mesmo ano, Constantino Xavier veio a falecer.

Em 1876 iniciou-se a construção de outra capela ainda maior. Agora, em sistema de alvenaria, já coberta com telhas de barro cozido. Dois anos mais tarde, em 1878, acontece a inauguração da terceira capela dedicada ao Pai Eterno. Em 1894 chegam da Alemanha os primeiros missionários redentoristas que vieram para cuidar da romaria e atender a multidão de romeiros vindos de diversos lugares, sobretudo, do interior do Estado de Goiás. Em 1912, o Missionário Redentorista Pe. Antão Jorge, contando com o apoio da população de Trindade e região, e também com doações dos romeiros, inaugura o “Santuário Velho”, a Igreja Matriz de Trindade.

As romarias a Trindade para visitação da imagem, devoção e fé no Divino Pai Eterno continuavam a crescer vertiginosamente. “Em 1943, foi iniciado o novo Santuário, no alto da colina Cruz das Almas”, Bairro Santuário, região central da cidade. Nesse mesmo ano, o então Arcebispo de Goiânia, Dom Emanuel Gomes, juntamente com os Missionários Redentoristas de Goiás, fizeram o lançamento da pedra fundamental para a construção do “Santuário Novo”. Atualmente, o Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. A partir de 1970, já se celebrava dentro do novo Santuário.

Com o trabalho de divulgação da devoção ao Pai Eterno, intensificada pelos meios de comunicação social, sobretudo na TV, tem atraído diariamente para Trindade, de modo especial ao Santuário Basílica do Divino Pai Eterno uma multidão de fiéis de todas as regiões do país. Por esse motivo, pensando em acolher melhor e com mais dignidade estes romeiros, no dia 02 de julho de 2011 foi feito o lançamento da pedra fundamental para a construção de um Novo Santuário com dimensões bem maiores que o atual.

Pe. Edinisio Pereira, C.Ss.R.

Reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 12h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quarta, quinta e sexta: 7h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h