Mês: setembro 2016

Amor que renova, traz a paz e a misericórdia

Comentários: 0

Neste Ano Santo da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco para a Igreja Católica em todo o mundo, temos visto o quão é grande a preocupação do nosso Santo Padre para com a humanidade, para com os filhos e filhas do Pai Eterno. Por várias vezes em que falou sobre misericórdia, em sua humildade, ele nos ensinou o quanto é precioso e imprescindível vivenciar o perdão em nossas vidas, a começar pelos nossos lares, em nossas famílias. É praticando o perdão no seio familiar que aprendemos a ser mais amáveis e maleáveis em relação aos erros, às ofensas e àquilo que o outro faz e que, porventura, acaba nos machucando.

Em toda a história da humanidade, sempre ouvimos falar sobre as guerras do passado, desencontros e discórdias entre pessoas e grupos que pensam e agem de maneira diferente uns dos outros. É triste perceber que, ao longo dos séculos evoluímos em tantos aspectos, principalmente no que tange à tecnologia, mas continuamos com os mesmos problemas de guerra, violência e discórdia que são frutos da intolerância e falta de amor, de perdão e de misericórdia de pessoas que, na maioria das vezes, não aceitam o estilo de vida e a maneira de viver do outro.

Na mídia, percebemos claramente que estamos vivendo um tempo em que a intolerância tem se mostrado muito presente. Pessoas que não têm amor umas pelas outras e que, por pura maldade e falta de discernimento em relação às escolhas pessoais do outro, praticam atos perversos e até criminosos para prejudicar o irmão.

Apesar de ver tantas coisas ruins que a mídia sensacionalista expõe diariamente, não devemos perder a esperança e é isso que o Ano Santo da Misericórdia nos ensina: que podemos alcançar um mundo melhor, se vivermos aqui na Terra, com os nossos irmãos, a mesma misericórdia que o Pai Eterno tem para conosco.

Se olharmos ao nosso redor, é muito fácil também encontrar pessoas de bom coração, que se preocupam com o irmão e que mostram, até mesmo por meio de pequenas atitudes, que é possível enxergar Jesus no outro e, dessa maneira, colocar em prática o amor e o perdão que Ele mesmo nos ensinou, quando veio cumprir Sua missão aqui na Terra.

Em sua Bula Misericordiae Vultus, n.10, o Papa Francisco nos ensina que “o perdão é uma força que ressuscita para uma vida nova e infunde a valentia para olhar o futuro com esperança”. É nisso que devemos acreditar, para que consigamos alcançar um mundo, onde a paz e o amor divino reinam. E neste mês de setembro, em meio à celebração do Ano Santo da Misericórdia, quando celebramos mais um Mês da Bíblia, refletimos o tema “Para que n´Ele nossos povos tenham vida” e o lema “Praticar a justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus”.

A proposta é que seja estudado o livro do profeta Miqueias, como forma de levar às comunidades o desejo de conhecer os ensinamentos contidos nas Sagradas Escrituras. O que pode trazer aos corações dos fiéis, mais esperança, por meio de experiências de fé e vivência da oração, que nos aproximam do amor do Pai Eterno.

Em meio a tantas experiências negativas que temos presenciado com as violências diárias em todo o mundo, é muito importante ter homens e mulheres capazes de lutar para que a Palavra de Deus nunca se perca. Pessoas que servem ao Pai Eterno, evangelizando, com muita fé e perseverança, aqueles que não conseguem mais encontrar o sentido de suas vidas, levando a eles o amor verdadeiro, puro e divino, por meio da oração.

Santo Afonso Maria de Ligório nos ensina que não há meio mais necessário e mais eficaz para vencer as tentações contra a virtude angélica do que o recurso imediato a Deus pela oração (cf. S. Alphonsus a Liguori, Pratica di amar Gesù Cristo, c.17, nn. 7-16). Portanto, abramos os nossos corações para que, através de nossa oração, estudo da Palavra e testemunho de fé, possamos levar o amor do Pai Eterno a todos os lugares, mostrando que é possível viver a paz. Basta se colocar a serviço do Pai, enxergar Jesus no outro e respeitar as escolhas do outro, lembrando sempre de amar quando for preciso e perdoar quando necessário.

Que também, a exemplo da Virgem Mãe Santíssima, possamos acolher a Palavra de Deus em nossos corações, deixando que o Espírito Santo aja em nossas vidas, de acordo com os desígnios de Deus para cada um de nós. Tenhamos fé e, acima de tudo, esperança. O Pai Eterno nunca abandona os Seus filhos, principalmente quando eles decidem por seguir o Seu caminho e continuar a missão que o próprio Jesus nos deixou, de anunciar o Evangelho a todas as nações (cf. Mc 16,15).

Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e Presidente-fundador da Afipe

O que vem a ser a fé?

Comentários: 0

Muito se ouve dizer que o problema da humanidade moderna é a falta de fé. Alguns especialistas da área das ciências humanas, como o filósofo Sousa (2010), dizem que “o grande problema do homem moderno é a falta de sentido  da vida e o vazio de sua  interioridade”. Pergunto, então:  o que vem a ser a fé? Ela contribui ou atrapalha a vida do ser humano? Favorece ou limita sua capacidade para ser livre, criar, produzir e transformar?

Pretendo, muito rapidamente, sem ousar querer esgotar o assunto, discorrer sobre essa realidade tão vital para o ser humano. Duvidar, questionar, pesquisar e  refutar não é problema algum. É próprio de quem busca clareza de vida, do mundo que o rodeia, das pessoas com as quais convive e da existência de Deus. O problema é o fechar os olhos à possibilidade de conhecer minimamente aquilo que se é, donde tudo provém e para onde tudo se finaliza.

O Dicionário Aurélio de Língua Portuguesa define a fé com uma “adesão absoluta do espírito àquilo que se considera verdadeiro. Um sentimento de quem acredita em determinadas ideias ou princípios religiosos”. E, alarga esta compreensão ainda que na forma de uma simples crença ao dizer que ela é um “estado ou atitude de quem acredita ou tem esperança em algo”. Na Carta aos Coríntios, Paulo afirma que neste mundo caminhamos movidos pela fé. E, ainda que ela nos aponte Deus, não somos capazes de vê-lo claramente em todos os seus mistérios (cf. 2 Cor 5, 7) de forma que a compreensão que temos d’Ele assemelha-se a um mirar num espelho. Ou seja, uma visão de maneira confusa e imperfeita (cf. 1 Cor, 13, 12).

A Carta aos Hebreus diz que a fé é um conhecimento de Deus, um “firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem. Pois, Deus, tendo falado outrora muitas vezes e de muitos modos a nossos pais pelos profetas, ultimamente, nestes dias, falou-nos por meio de seu Filho” (Hb 1,1-2). A fé nos coloca em sintonia com o Pai Eterno obedecendo os desígnios e propósitos divinos que Ele tem traçado para cada um de nós. “Pela fé, Abraão obedeceu ao chamamento de Deus, e partiu para uma terra que viria a receber como herança: partiu, sem saber para onde ia (Hb 11, 8). Pela fé, viveu como estrangeiro e peregrino na terra prometida. Pela fé, Sara recebeu a graça de conceber o filho da promessa. (CIC 145)”. E, Maria deu a luz ao Salvador, Jesus Cristo.

Fé se aprende a ter. Nenhum de nós nasceu tendo fé. A fé não é uma herança genética. Ela é adquirida e construída “pela interação do indivíduo com o meio físico e social, com o simbolismo humano, com o mundo das relações sociais; e se constitui por força de sua ação e não por qualquer dotação prévia, na bagagem hereditária ou no meio, de tal modo que podemos afirmar que antes da ação não há psiquismo nem consciência e, muito menos, pensamento”. (Becker, 1993). Foram nossos pais ou avós quem nos introduziram, inicialmente, no universo da fé que professamos. Posterior a isso, contribuíram conosco leigos piedosos, catequistas, padres, religiosos e religiosas.

No mais profundo existir, a fé é dom. É gratuidade de Deus. Ao dizer que o Pai Eterno não esmaga uma cana quebrada nem apaga um pavio que ainda fumega (cf. Is 42,3), o Profeta Isaías aponta para a realidade de um Deus que é justo, plenamente bondoso, generoso, misericordioso. Um Deus que ama, que acredita e confia na pessoa humana e está sempre disposto a perdoá-la. Se ele perdoa é porque acredita, tem fé. Dá uma nova chance, uma oportunidade a mais a quem vacilou, errou, pecou, caiu. E, confere-nos o poder da fé: “Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta amoreira: arranca-te e replanta-te no mar, e ela vos obedecerá” (Lc 17, 6). Ou, “direis a esta montanha: transporta-te, daqui para lá e ela se transportará,  e nada vos será impossível” (Mt 17, 20).

Ao contrário de impedir e limitar a fé conduz-nos à liberdade plena e total auxiliando na cicatrização e cura de muitas mazelas e fraquezas humanas que são inerentes à nossa condição frágil, limitada, pecadora. Sendo assim, a fé cristã transforma o mundo e nos aponta para Deus e nos ensina n’Ele confiar num ato de sabedoria. Além do mais, a fé nos leva a acreditar na Ressurreição e a aguardar o feliz dia do nosso retorno à vida eterna.

Concluo essa rápida reflexão dizendo que é preciso ter fé para crer até mesmo no absurdo. E, que o problema maior do mundo moderno é a arrogância humana diante de questões às quais ainda não somos capazes sequer de imaginá-las como elas verdadeiramente são. Ter fé é ser capaz de, mediante os limites e fraquezas humanas dar uma resposta inteligente aos desafios da vida e questionamentos de Deus para nós: “Filho do homem será que estes ossos podem voltar à vida?” (Ez 37,3).

Pe. Edinisio Pereira, C.Ss.R.

Reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno

 

Conflito religioso e o diálogo inter-religioso

Comentários: 0

Nos últimos anos, tem-se acompanhado, em nível mundial, o desenrolar de diversos conflitos religiosos. Na Irlanda do Norte, a maioria católica deseja separar-se dos protestantes. O conflito entre palestinos e israelenses motivado, sobretudo, pela ocupação de terras pelo Estado de Israel em 1948. A guerra entre Índia e Paquistão pela posse da Cachemira com maioria da população mulçumana. O sangrento massacre na ex-Iugoslávia que ficou conhecido como a “limpeza étnica”: os sérvios identificados como ortodoxos e os croatas como católicos.

Em 2001, no dia 11 de setembro, o ataque às torres de Nova Iorque, que posteriormente levou à guerra no Afeganistão, e a identificação do islamismo com o terrorismo.  Em 2010, o triste conflito entre muçulmanos e cristãos na cidade de Jos, ao Norte da Nigéria, que chegou a 460 mortes.  Em 2012, os protestos contra os EUA devido a um filme que ironizava o profeta Maomé. E, em novembro de 2015, acompanhamos os ataques terroristas que deixaram 129 mortos em Paris, apenas dez meses após os atentados no semanário satírico Charlie Hebdo. E, recentemente, em Nice, no sul da França, um caminhão atropelou e vitimou diversas pessoas que estavam assistindo à queima de fogos em comemoração ao 14 de julho, dia da Bastilha. O autor dos atentos mantinha relações com o estado islâmico. A partir de tais acontecimentos precisamos nos perguntar pelo sentido e significado da tolerância religiosa.

É certo que o diálogo entre as religiões não é um fato somente sociológico. É também teológico, pois vem à baila a discussão e a compreensão sobre Deus.  O conceito para lidar com esses conflitos é denominado diálogo inter-religioso. Para a teóloga Catherine Cornille, “o diálogo inter-religioso envolve um intercâmbio aberto e construtivo entre indivíduos pertencentes a diferentes religiões”. Significa que nenhuma religião existe de modo isolado das outras religiões.

Sobre o tema do diálogo inter-religioso, a Declaração Nostra Aetate, da Igreja Católica, apresenta um importante ensinamento: “todos os povos, com efeito, constituem uma só comunidade. Têm uma origem comum, uma vez que Deus fez todo o gênero humano habitar a face da terra”. O Papa João Paulo II, na Encíclica Redemptoris Missio lembra que o “diálogo inter-religioso faz parte da missão evangelizadora da Igreja”. O Papa Bento XVI, em sua Mensagem para a Celebração da Jornada Mundial da Paz de 2011, em Assis, recordou a necessidade da tolerância religiosa, em vista dos constantes conflitos que envolveram a Igreja Siro-Católica, em Bagdá, onde, no dia 31 de outubro de 2010 foram assassinados dois sacerdotes e mais de cinquenta fiéis por grupos radicais islâmicos.

O Papa escreve que “a liberdade religiosa encontra expressão na especificidade da pessoa humana, que pode ordenar a própria vida pessoal e social a Deus”. Na Encíclica Caritas in Veritate, Bento XVI ressalta a importância do “direito à liberdade religiosa” como recurso necessário ao desenvolvimento do ser humano. A experiência de fé pode ser vivida pelo ser humano como forma de caminho em vista ao diálogo com as outras religiões, sem, porém, ferir a identidade da própria fé.

Aos católicos, o Decreto Nostra Aetate ensina ainda a reconhecer nas outras religiões seus valores religiosos, pois “a Igreja católica nada rejeita do que nessas religiões” existe de verdade para eles. O diálogo inter-religioso, como lembra Catherine Cornille, “baseia-se também na premissa ou crença que pode haver mais verdades entre duas ou mais tradições do que em qualquer religião isoladamente”. O teólogo Claude Geffré acredita no diálogo inter-religioso pautado na igualdade entre os interlocutores. O evangelista Marcos sugere a olhar para Jesus e observar que Ele chama ao diálogo inter-religioso: “a minha casa será chamada de ‘Casa de Oração’ para todos os povos”.

Pe. Elismar Alves dos Santos, C.Ss.R.

Missionário Redentorista

 

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 12h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quarta, quinta e sexta: 7h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h