Amor que renova, traz a paz e a misericórdia

0

Neste Ano Santo da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco para a Igreja Católica em todo o mundo, temos visto o quão é grande a preocupação do nosso Santo Padre para com a humanidade, para com os filhos e filhas do Pai Eterno. Por várias vezes em que falou sobre misericórdia, em sua humildade, ele nos ensinou o quanto é precioso e imprescindível vivenciar o perdão em nossas vidas, a começar pelos nossos lares, em nossas famílias. É praticando o perdão no seio familiar que aprendemos a ser mais amáveis e maleáveis em relação aos erros, às ofensas e àquilo que o outro faz e que, porventura, acaba nos machucando.

Em toda a história da humanidade, sempre ouvimos falar sobre as guerras do passado, desencontros e discórdias entre pessoas e grupos que pensam e agem de maneira diferente uns dos outros. É triste perceber que, ao longo dos séculos evoluímos em tantos aspectos, principalmente no que tange à tecnologia, mas continuamos com os mesmos problemas de guerra, violência e discórdia que são frutos da intolerância e falta de amor, de perdão e de misericórdia de pessoas que, na maioria das vezes, não aceitam o estilo de vida e a maneira de viver do outro.

Na mídia, percebemos claramente que estamos vivendo um tempo em que a intolerância tem se mostrado muito presente. Pessoas que não têm amor umas pelas outras e que, por pura maldade e falta de discernimento em relação às escolhas pessoais do outro, praticam atos perversos e até criminosos para prejudicar o irmão.

Apesar de ver tantas coisas ruins que a mídia sensacionalista expõe diariamente, não devemos perder a esperança e é isso que o Ano Santo da Misericórdia nos ensina: que podemos alcançar um mundo melhor, se vivermos aqui na Terra, com os nossos irmãos, a mesma misericórdia que o Pai Eterno tem para conosco.

Se olharmos ao nosso redor, é muito fácil também encontrar pessoas de bom coração, que se preocupam com o irmão e que mostram, até mesmo por meio de pequenas atitudes, que é possível enxergar Jesus no outro e, dessa maneira, colocar em prática o amor e o perdão que Ele mesmo nos ensinou, quando veio cumprir Sua missão aqui na Terra.

Em sua Bula Misericordiae Vultus, n.10, o Papa Francisco nos ensina que “o perdão é uma força que ressuscita para uma vida nova e infunde a valentia para olhar o futuro com esperança”. É nisso que devemos acreditar, para que consigamos alcançar um mundo, onde a paz e o amor divino reinam. E neste mês de setembro, em meio à celebração do Ano Santo da Misericórdia, quando celebramos mais um Mês da Bíblia, refletimos o tema “Para que n´Ele nossos povos tenham vida” e o lema “Praticar a justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus”.

A proposta é que seja estudado o livro do profeta Miqueias, como forma de levar às comunidades o desejo de conhecer os ensinamentos contidos nas Sagradas Escrituras. O que pode trazer aos corações dos fiéis, mais esperança, por meio de experiências de fé e vivência da oração, que nos aproximam do amor do Pai Eterno.

Em meio a tantas experiências negativas que temos presenciado com as violências diárias em todo o mundo, é muito importante ter homens e mulheres capazes de lutar para que a Palavra de Deus nunca se perca. Pessoas que servem ao Pai Eterno, evangelizando, com muita fé e perseverança, aqueles que não conseguem mais encontrar o sentido de suas vidas, levando a eles o amor verdadeiro, puro e divino, por meio da oração.

Santo Afonso Maria de Ligório nos ensina que não há meio mais necessário e mais eficaz para vencer as tentações contra a virtude angélica do que o recurso imediato a Deus pela oração (cf. S. Alphonsus a Liguori, Pratica di amar Gesù Cristo, c.17, nn. 7-16). Portanto, abramos os nossos corações para que, através de nossa oração, estudo da Palavra e testemunho de fé, possamos levar o amor do Pai Eterno a todos os lugares, mostrando que é possível viver a paz. Basta se colocar a serviço do Pai, enxergar Jesus no outro e respeitar as escolhas do outro, lembrando sempre de amar quando for preciso e perdoar quando necessário.

Que também, a exemplo da Virgem Mãe Santíssima, possamos acolher a Palavra de Deus em nossos corações, deixando que o Espírito Santo aja em nossas vidas, de acordo com os desígnios de Deus para cada um de nós. Tenhamos fé e, acima de tudo, esperança. O Pai Eterno nunca abandona os Seus filhos, principalmente quando eles decidem por seguir o Seu caminho e continuar a missão que o próprio Jesus nos deixou, de anunciar o Evangelho a todas as nações (cf. Mc 16,15).

Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e Presidente-fundador da Afipe

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 12h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quarta, quinta e sexta: 7h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h