Dia: dezembro 23, 2016

A encarnação do Amor

Comentários: 0

Às vezes, me pego pensando em como seria se Jesus voltasse hoje. Será que nós estaríamos preparados para receber Cristo em nossa casa, em nossa vida? Será que o nosso coração estaria preparado para acolher o Messias? Esse pensamento me veio à mente ao perceber que estamos nos aproximando do Natal, quando celebramos a vinda de Jesus – “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14) – e, em vários locais e situações, é possível observar que o verdadeiro sentido desta comemoração está distorcido.

O Natal é uma das festas mais importantes do calendário litúrgico. Neste período, nós, que somos filhos amados do Pai Eterno, recebemos Dele o chamado para que preparemos o nosso coração, a nossa vida, para a chegada de Seu Filho amado. É claro que é uma festa simbólica, pois Jesus nasceu há mais de dois mil anos, segundo o calendário civil. Mas, precisamos sim relembrar disso ano após ano, pois, para nós, cristãos, é momento de refletir sobre como é necessário abrir o nosso coração para receber Cristo em nossas vidas.

Por isso, esse período não pode se resumir ao consumismo desenfreado, em que as pessoas só pensam em comprar presentes, fazer uma grande festa, pratos especiais, roupas novas, decoração natalina, árvore repleta de presentes. Tudo isso é bonito, mas não devemos gastar toda nossa energia com esses elementos, porque as coisas materiais são vãs. Nada disso faz sentido, quando as pessoas, especialmente, as famílias, não vivem o verdadeiro amor.

De nada adianta ter tudo isso e estar brigado com o seu irmão, com raiva do seu primo, em pé de guerra com seus pais. Não é isso que o Pai Eterno quer de nós. Podemos, sim, enfeitar a nossa casa, para que ela fique bonita e com clima festivo. Mas, não podemos colocar nossa atenção nisso e deixar o nosso coração amargurado, cheio de rancor e vivendo em meio à discórdia.

Nesse contexto, as pessoas estão cada vez mais divididas entre o Evangelho da Fé e o evangelho do mercado, entre o belo-supérfluo dos presentes e o singelo-necessário do presépio. Na noite de Natal, vemos coros, com muito entusiasmo, entoando o som do ‘Jingle Bells’, mas a verdade é que as pessoas se esquecem do motivo que a torna uma verdadeira e plena ‘Noite Feliz’!

É preciso viver a verdadeira essência do Natal, que está em reconhecer a grandeza de um Deus que é Pai e que, por amor a nós, se fez carne, habitou entre nós, de maneira simples, humilde e singela. Veio como criança, pura, ingênua, precisando dos cuidados dos seus pais para que crescesse e se desenvolvesse. E é essa mesma criança que agora está pedindo, desejando, nascer em nossos corações. Por isso, devemos amar, cuidar e nos dedicar a acolher essa criança, que é o próprio Cristo, com muito amor, para que nossa casa seja abençoada e nossa vida seja restaurada.

O Menino Deus nasceu para todos e aquele que deposita a sua fé e esperança no Natal, de forma plena, é capaz de vivenciar esse momento de Amor, não somente nesse período natalino, mas, em todos os dias de sua vida. Jesus é simples e cheio de amor. Ele não quer algo extraordinário de nós, quer apenas que nós possamos dar seguimentos à Sua missão, seguindo os Seus ensinamentos e fazendo valer a Sua vinda gloriosa a este mundo.

E a forma de colocar esse amor em prática é mudando as nossas atitudes do dia a dia: evitando falar mal dos outros; aprendendo a utilizar o silêncio para não criar situações de desconforto e não magoar os nossos irmãos; sendo gentil com as pessoas à nossa volta, em casa, no trabalho e em todos os lugares onde que estiver; praticando boas ações. Enfim… existem inúmeras ações que podemos realizar para garantir que o Reino de Deus aconteça aqui na Terra. E é com fé e humildade que somos capazes de deixar que o Espírito Santo nos mostre o caminho certo a seguir.

Lembremo-nos de que somos iluminados pela vinda de Cristo Jesus: “Para os que habitavam na terra da escuridão uma luz começou a brilhar” (Is 9,1). Cristo feito homem esvaziou-se de Si mesmo, exceto de Sua condição Divina, para partilhar de nossas dores e pobreza. Conheceu na própria pele as feridas do sofrimento e da extrema pobreza, pois não tinha “onde reclinar a cabeça” (Mt 8,20).

Sigamos o exemplo de Jesus, façamos deste tempo, um momento oportuno para revisitarmos a nossa consagração, tentando descobrir aquilo que tem nos distanciado do anúncio do Reino de Deus, tão defendido por Jesus. Não deixemos que o Menino Deus fique ao relento de nossa vida consagrada. Façamos o possível e o impossível para que Ele possa ser generosamente acolhido na manjedoura de nosso coração.

Bom Tempo do Advento a todos e um Natal cheio de luzes e ações de graças!

Pe. Robson de Oliveira

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador da Afipe

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 12h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quarta, quinta e sexta: 7h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h