A Solidariedade

0

Ao criar o ser humano à sua imagem e semelhança no amor, Deus o constituiu portador de direitos, deveres e liberdades que lhe asseguram uma vida livre, digna, justa, solidária, fraterna e feliz. Criou também todas as coisas e as disponibilizou gratuitamente a todos.

No início tudo era de todos. E, todos tinham acesso a tudo. Além do mais, tudo o que dispunham para a sobrevivência era partilhado em direitos iguais de acordo com a necessidade de cada um. Com o passar dos tempos, o ser humano desenvolveu o sentimento de posse: “isto é meu”. Com a apropriação do bem comum gerou, como consequência deste princípio, a desigualdade social. Situação que coloca alguns em condição de privilégio em detrimento a outros.

Imbuída, mesmo que implicitamente do espírito cristão, no dia 10 de dezembro de 1948, foi assinada a Resolução nº 217, da Assembleia Geral das Nações Unidas. O Artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos declara: “todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade”. Uma tentativa de corrigir a humanidade dessa grande injustiça social criada ao longo do seu caminhar existencial.

A Igreja por sua vez, consciente desta realidade, tocada pelos ensinamentos, atitudes e ações de Jesus, sempre se mostrou atenta, preocupada e solidária com as necessidades mais urgentes da humanidade e com as desigualdades advindas da apropriação indevida dos bens comuns. E denuncia: ” Há iníquas desigualdades econômicas e sociais, que ferem milhões de seres humanos; elas estão em contradição aberta com o Evangelho, são contrárias à justiça, à dignidade das pessoas e à paz (CIC nº. 413). Assim, estimula a todos a desenvolverem ações que visam manifestar a solidariedade como uma exigência da fraternidade cristã.

Ao encarnar-se no seio da humanidade Jesus fez sua opção preferencial pelos pobres e abandonados. Tudo o que Jesus expressa em sua mensagem reflete claramente o amor bondoso e misericordioso do Pai Eterno para com cada um de nós. Movida pelo Espírito de Jesus, a Igreja Católica seguiu este mesmo exemplo. Ou seja, se fez pobre para os pobres buscando socorrê-los em todas as suas necessidades.

O Papa Francisco diz que: “para a Igreja a opção pelos pobres é mais uma categoria teológica que cultural, sociológica, política ou filosófica”. A esperança é deles, “pois sufocados no seu anseio pelos valores que a sociedade injusta rejeita, esses pobres estão profundamente convictos de que eles têm necessidade de Deus, pois só com Deus esses valores podem vigorar, surgindo assim uma nova sociedade”, Bíblia Pastoral.

Desprovida da compreensão e sentimentos cristãos a solidariedade restringe-se a um mero assistencialismo social. Quem busca ser solidário com os mais necessitados, assume na própria vida o esvaziamento interior que Jesus nos deixou como exemplo de vida inteiramente doada em favor da remissão de todos os seres humanos.

Quem é cheio de si mesmo não abre espaço para Deus em sua vida nem para seus irmãos e irmãs fugindo da lógica proposta pelas Bem-aventuranças de Jesus (Mt 5, 1-12). Pagola diz que: “quem escuta o coração de Deus começa a privilegiar em sua vida os mais necessitados”.

O que vem a ser, então a solidariedade? O Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa a define como: “qualidade do que é solidário, dependência mútua, reciprocidade de obrigações e interesses”. São João Paulo II aprofunda esse conceito em sua encíclica Solicitudo Rei Socialis (38), afirmando que: “a solidariedade não é um sentimento de compaixão vago ou de enternecimento superficial pelos males sofridos por tantas pessoas, próximas ou distantes. Pelo contrário, é a determinação firme e perseverante de se empenhar pelo bem comum; ou seja, pelo bem de todos e de cada um, porque todos nós somos verdadeiramente responsáveis por todos”. Ou seja, um forte apelo a que voltemos urgentemente às nossas origens.

Pe. Edinisio Pereira 

Reitor do Santuário Basílica de Trindade

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quinta e sexta: 7h
Quarta: 9h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h