Quaresma: um convite à conversão

0

A vida oferece tempo e espaço para tudo e para todos. Neste sentido, nós Cristãos Católicos estamos vivenciando neste mês de março o Tempo Litúrgico da Quaresma. Ocasião oportuna para a prática da oração, do jejum e da caridade.  Um verdadeiro convite à conversão. Para que isso aconteça de modo satisfatório como a Igreja nos propõe, é preciso um profundo exame de consciência, uma corajosa revisão de vida e coração para celebrar dignamente a Páscoa de Jesus que também é nossa Páscoa e Ressurreição.

Existem situações nesta vida que não valem a pena insistir nelas. Inicialmente, por mais agradáveis que sejam, só nos causam dores, sofrimentos e amarguras. A tomada de consciência dos fracassos, erros, tropeços, quedas e pecados que cometemos dia a dia é o ponto de partida para uma sincera conversão de vida e coração. Cada um de nós somos conhecedores de nós mesmos. Por isso, sabedores do que é que nos pesa a consciência mediante situações faladas, praticadas ou omitidas para conosco mesmos, para com nossos irmãos e irmãs, e especialmente para com o Divino Pai Eterno.

Estradas retas construídas em relevos altos e planos quase sempre são perigosas e traiçoeiras. Aparentemente, dispensam atenção e cuidados para uma boa direção defensiva. Na vida, não é diferente. Aquilo que por hora se nos apresentam como realidades atraentes e prazerosas, em sua maioria são seduções enganadoras que nos conduzem à emboscadas fatais, às quais dificilmente sairemos delas ilesos, sem ranhuras, machucões ou fraturas.

Um objeto qualquer adquirido na condição de ouro, após revelar seu verdadeiro estado de bijuteria, escurece. Ao escurecer, gera no coração de quem o adquiriu um profundo sentimento de desilusão, pesar e frustração.  Seu fim último é o desprezo. O descarte total como se faz com um pedaço de pano usado que é jogado fora no fundo de um quintal, que com o passar dos tempos desaparece sem deixar vestígios, marcas ou sinais de que um dia existiu ou fez parte de história alguma.

Converter-se é mudar de um estado de vida para outro. É crer que o Pai Eterno não se cansa de nós nem de nos perdoar. É crer, confiar e aguardar pacientemente o julgamento final após nossa partida desta vida. Julgamento que não existe para nossa pronta, imediata e irrevogável condenação. Mas, para nos curar, redimir, libertar e salvar. É saber que uma vez absolvidos de nossas antigas culpas, somos conduzidos por Deus e seus anjos à Pátria Celeste, meta fundamental e esperança feliz de todos nós. É saber ainda que a condenação parte justamente do coração empedernido que rejeita e recusa o resgate da mansão triste dos mortos pelo Sangue do Cordeiro imolado na Cruz.

A conversão é condição interior que tem início nos acontecimentos simples, pequenos e diários da vida. Começa dentro de nós até alcançar o coração de Deus. Agora, se para uma transformação radical de vida for necessário mudança de casa, bairro, cidade, estado ou país, que assim o procedamos. No entanto, que deixemos para trás o objeto que nos oprime, escraviza e nos faz pecar e sofrer.  Do contrário, de nada adiantará tal esforço se ele for levado conosco. Terá sido uma luta em vão. Conforme o ditado popular, teremos apenas “mudado cebola de lugar”.

A chave que abre passagem para uma vida nova?  O perdão dado e recebido: o de Deus e dos irmãos e irmãs. Não há muros nem barreiras que resistem à força do perdão. Uma vez ao chão, o amor se encarrega de limpar definitivamente os escombros produzidos por elas. E elimina, de uma vez por todas, quaisquer sombras de vestígios, sinais, dúvidas ou cicatrizes deixadas em nossos corações. Perdoar não é fácil. É tarefa lenta, demorada e para poucos. Somente quem muito ama e vive conforme os ensinamentos de Jesus conseguem fazê-lo.

O perdão salva duas vezes. Ao que sofreu a ofensa e a quem ofendeu. Olhemos para a parábola do Pai Misericordioso do Evangelho de Lucas (Lc 15,11-32). Nela, percebemos nitidamente que o perdão do Pai Eterno devolveu a Ele a chance de ser Pai. E, ao filho arrependido a possibilidade de novamente vir a ser filho. No perdão dado e recebido, Pai e filho voltaram a ser família. Os dois juntos, igualmente se salvaram.

Procedendo-nos de tal modo, iremos perceber que em face às agitações, tribulações, tentações e aflições desta vida, haverá tempo e espaço suficientes para ouvir os apelos de Deus à conversão, e acolher a salvação gratuita que Ele tem reservada a cada um de nós desde toda a eternidade!

Pe. Edinisio Pereira

Reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quinta e sexta: 7h
Quarta: 9h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h